terça-feira, 23 de junho de 2009

SOBRE BIKERS E POSERS

Uma pequena reflexão entre os trabalhos:

Decidi escrever aqui minha modesta opinião, sobre o que vejo acontecer no Brasil em relação ao mundo biker.

Acho que, na ultima década, o universo e a contra-cultura biker sofreu grande modificação, sendo absorvida, ao final, pelo maisnstream.

Antes da chegada do Grupo Rizzo ao mercado, ser dono de harley era o exercício de uma paixão, de um modo de vida. A grande maioria das motos eram os chamados “paus velhos”, em que a criatividade supria a falta de peças, onde a paixão supria a falta de grana e peças.

Com a chegada do Dealer, repentinamente, houve uma enxurrada de motos, e de novos donos, onde, o que falava alto era a grana, não a paixão, pois tendo o dinheiro no bolso, se comprava os aparelhos.

Paralelo à essa nova realidade, foram surgindo os programas de TV como American Choppers, com as motos temáticas, de gosto duvidoso.

O que comecei a ver, em eventos e afins, foram um bando de playboys, travestidos de bikers, desfilando com suas choppers feitas à peso de ouro.

Hoje, a nova moda são as bobbers, frentes springers, preto fosco, uma leitura do que já vem acontecendo à décadas, contudo, uma releitura, a meu ver, equivocada, uma vez que se presta tão somente aos desfiles dentro da cidade ou do bairro.

Quantos desses novos bikers realmente sabem o que estão fazendo, e principalmente, fazendo suas motos de forma que atendam suas necessidades, ou que reflitam sua personalidade? Quantos destes novos donos de bobbers, de aparelhos OLD SCHOOL, perdem seu tempo metendo a mão na graxa, até que a coisa fique do seu agrado? E quantos deles largam a moto em um customizador, dão a receita de bolo que aprenderam na Internet, gastando um bom dinheiro, unicamente para serem donos de máquinas que usarão tão somente para desfilar em seu bairro?

O que não vejo, quando pego a estrada, para visitar algum MC amigo em outro lugar, ou para ir a algum evento, são esses bikers e essas motos.

O que acho que se perdeu, principalmente, foi o espírito que agregava os apaixonados por suas motos. Quantas vezes não recebi a ligação de um irmão ou amigo que precisava de uma peça que tinha para sua moto, e eu gentilmente cedia, uma vez que aquilo que guardei, o fiz tão somente pensando que alguém poderia precisar, como um dia precisei e me ajudaram.

Nunca se tratou de dinheiro, pois tem coisas que a grana não paga, muitas vezes, era uma troca. Outras nem isso. Era o prazer que eu tenho em ver alguém que comunga pelo mesmo credo que eu, feliz em ver sua máquina rodando.

Reconheço que hoje, a grande maioria age diferente, uma vez que, por não meterem a mão na massa, gastam rios de dinheiro, por vezes de forma equivocada, e quando vêem que os projetos não eram o que queriam, desandam a tentar tirar o prejuízo. Ok, Lei do Mercado, que seja.

Aí que entra a distinção, ao menos para mim, dos Bikers e dos Posers. Nos primeiros se encaixam aqueles que tem a paixão no sangue, que amam suas máquinas, que grana não é prioridade ao amparar um Irmão ou amigo que tem a mesma paixão. São aqueles que se encontram no boteco da cachaça e torresmo na estrada, e dividem as experiências e risadas. São aqueles que somente são, e não aqueles que tentam ser.

Quanto aos segundos, sempre há o fat book de algum dealer de acessórios e um polpuda conta a ser paga. Como não viajam, não dividem, nem experiências, nem paixão. A vida se resume a desfilar a moto ULTRA HYPE que acabaram de pagar para fazer, seguindo a ultima tendência massificada (hoje, OLD SCHOOL, amanhã, Deus queira que não sejam motos rosas...), pagando de bikers para as gatinhas. Não tem a moto por ser uma extensão de sua personalidade, mas querem que a moto faça sua personalidade.

Quanto a mim, prefiro ir comer meu torresmo com cachaça na estrada...

4 comentários:

TrueBiker disse...

Então vamos beber umas geladas no Bigode e Xororó! Tá devendo essa!
[ ]x

Anônimo disse...

Obrigado pelas palavras...
"El Patron"

Antonio disse...

Grande Amaral,enquanto lia seu texto,pude associa-lo a algumas pessoas que conheço e que, o que importa para elas e tão somente seu "EGO" tipo "o meu pinto é maior que o seu".
Obrigado pelas palavras.

Antonio.

LeoTrankera disse...

Pulando de Blog em Blog, acabei caindo no seu.. otimo texto, infelizmente é a pura verdade, mas como um amigo disse a um playboy uma certa vez: "vc pode ter dinheiro, mas nao tem estilo". Grande Abraço!